Quebrar o silêncio para manter uma vida cheia de qualidade

1 em cada 3 mulheres sofre de incontinência urinária, problema também conhecido como uma “epidemia silenciosa”. Quebre o silêncio e veja todas as suas dúvidas esclarecidas para viver sempre com qualidade.

O dia 14 de março podia ser um dia normal, mas é marcado pelo Dia Mundial da Incontinência Urinária e pelo dia de todas as mulheres que sofrem com o problema e preferem manter-se em silêncio, não fosse esta a doença conhecida também como uma “epidemia silenciosa”.


Cerca de 30% das mulheres com idades entre os 30 e os 60 anos veem as suas vidas afetadas pela incontinência urinária. No entanto, e com a ajuda do doutor Pedro Nogueira da Silva, chegou o momento de perceber que não tem de ser bem assim. Mesmo com o problema, é importante que saiba que existem tratamentos e hábitos que podemos começar a meter em prática para que a incontinência urinária não tenha um grande impacto tanto na sua vida social como profissional.

Espirrar, correr, tossir ou rir são alguns dos movimentos associados à pressão intra-abdominal, onde se observam perdas de urina involuntárias e que se caracterizam por incontinência urinária. Neste vídeo, o urologista explica que, antes de mais, é importante recorrer ao seu médico para diferenciar o tipo de incontinência urinária feminina que tem.

Viver para sempre com incontinência urinária é um dos medos de quem sofre com o problema. Com as dúvidas esclarecidas pelo doutor Pedro Nogueira da Silva, vai perceber que isso não tem de ser bem assim, uma vez que a incontinência urinária tem cura e tratamentos simples em muitos dos casos. A cirurgia é um dos exemplos de tratamento, mas não o único.

Como referimos mais acima, existem hábitos que podem ajudar a melhorar a sua condição. Perder peso, beber mais água, não fumar ou até não beber muito café são alguns dos hábitos que podem ajudar a mitigar os sintomas.

A dúvida impôs-se: quando se deve ir ao médico? A resposta certa é quando essas perdas de urina involuntária começarem a afetar o seu dia-a-dia e a prejudicar a sua qualidade de vida.

Não há motivos para ter vergonha de ter incontinência urinária. Fale abertamente sobre o assunto, desmistifique-o e vai perceber que não está sozinha. Questionada sobre se tem incontinência involuntária, não tenha receio de responder “Eu tenho, tu não?”.

Artigos Relacionados

Uma conversa sem tabus sobre incontinência urinária

Uma conversa sem tabus sobre incontinência urinária

A incontinência urinária é um assunto proibido e até um pesadelo para muitas mulheres, mas...
LER MAIS
Todos os cuidados para manter a sua zona íntima sempre protegida

Todos os cuidados para manter a sua zona íntima sempre protegida

Dizem que todos os cuidados são poucos e quando se fala de higiene íntima não...
LER MAIS

Leave a Reply